Linguagem: EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish

Governo do Brasil monitora estoques para evitar falta de óleo combustível

 

Governo do Brasil monitora estoques para evitar falta de óleo combustível
[foto] - UNCTAD relata preocupação com a escassez mundial de combustíveis e alimentos
01-07-2022 21:24:46 (74 acessos)
Monitoramento permanente do mercado de combustíveis, especialmente óleo diesel, vem sendo praticado pelo Brasil através da Agência Nacional de Petróleo (ANP). "Abastecimento está regular em todo o território nacional," avisa a Agência, que adota obrigatoriedade do "Sobreaviso no Abastecimento" que deve ser cumprido por produtores e distribuidores. Há uma lista oficial de empresas abastecedoras do mercado, já adotada em 21 de março de 2022.

 

Agora (1º de julho) há mais um Sobreaviso no Abastecimento nº 02/2022/SDL/ANP. Objetivo é intensificar o monitoramento das importações de óleo diesel A S10. A medida foi aprovada pela Diretoria da Agência (220630). Essa medida visa permitir que o acompanhamento das importações de diesel A S10 seja intensificado, em face da situação geopolítica mundial atual. 

Assim, os produtores e distribuidores listados no Sobreaviso (os mesmos que já estavam listados no Comunicado de Sobreaviso nº1/SDL/ANP, de 21 de março de 2022) deverão manter informada a ANP. Para isso há um formulário específico, onde consta relação de todas as importações de óleo diesel A S10 já contratadas mas ainda não nacionalizadas. Documento discrimina: porto de origem, data efetiva de embarque, volume em metros cúbicos (m³), porto de destino no Brasil, data prevista de chegada e terminal (ou base) de armazenamento (sejam operações realizadas diretamente com o mercado externo ou por intermédio de terceiro). 

Devem também ser informadas, pelos mesmos agentes, caso ocorram, dificuldades de contratação de importação e/ou de navio para importação de óleo diesel A S10 para o Brasil. Neste caso, será necessário descrever detalhadamente as circunstâncias de restrição de importação, localidade e se a referida restrição é total ou parcial, assim como informações adicionais pertinentes. 

O envio de novas informações sobre as importações de óleo diesel A S10 não exclui as obrigações já postas aos agentes relacionados no Comunicado de Sobreaviso nº1/SDL/ANP, de 21 de março de 2022. Assim, todos os distribuidores e produtores relacionados no primeiro comunicado precisarão continuar enviando todos os dados já rotineiramente submetidos. 

Os Sobreavisos no Abastecimento nº 01 e nº 02, bem como o formulário para envio das informações à ANP, podem ser consultados na página:

https://www.gov.br/anp/pt-br/assuntos/sobreaviso-do-abastecimento

Organismo da ONU também atua 

para enfrentamento da eventual 

falta de gêneros e combustível

Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) diz que a guerra na Ucrânia está sufocando o comércio e a logística do país e da região do Mar Negro, aumentando a demanda global de navios e o custo de transporte em todo o mundo.

Em um relatório intitulado "O comércio marítimo interrompeu: a guerra na Ucrânia e seus efeitos na logística do comércio marítimo" publicado em 28 de junho, a UNCTAD diz que os parceiros comerciais da Ucrânia agora têm que recorrer a outros países para as commodities que importam.

Ele atribui os obstáculos de transporte e transporte na região do Mar Negro a interrupções na logística regional, a interrupção das operações portuárias na Ucrânia, a destruição de importantes infraestruturas, restrições comerciais, aumento dos custos de seguro e preços mais altos de combustível.

As distâncias de transporte aumentaram, juntamente com os tempos de trânsito e os custos.

"Os grãos são de particular preocupação, dado o papel principal da Federação Russa e da Ucrânia nos mercados de agroalimentares, e seu nexo à segurança alimentar e à redução da pobreza", diz o relatório.

Aumento dos custos de transporte elevam os preços dos alimentos

Menos embarques de grãos em distâncias mais longas estão levando a preços mais altos de alimentos.

Os preços dos grãos e os custos de transporte estão em alta desde 2020, mas a guerra na Ucrânia agravou essa tendência e reverteu uma queda temporária nos preços dos transportes.

O relatório diz que, entre fevereiro e maio de 2022, o preço pago pelo transporte de granéis secos, como grãos, aumentou quase 60%.

O aumento dos preços dos grãos e das taxas de frete levaria a um aumento de 3,7% nos preços dos alimentos ao consumidor globalmente.

 

Fonte: ANP - Comunicação Social e UNCTAD
 

 Não há Comentários para esta notícia

 

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Noticiario, não reflete a opinião deste Portal.

Deixe um comentário

jIbQT