Linguagem: EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish

Dengue, diante destes sintomas corra ao médico

Dengue, diante destes sintomas corra ao médico
[foto] - Dengue, chikungunya e Zika, perigo subestimado que vem com a sujeira

03-07-2024 22:09:11
(6691 acessos)
 
Febre de início repentino acompanhada de dor-de-cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na pele, manchas vermelhas pelo corpo, além de náuseas, vômitos e dores abdominais. São esses os sintomas de infecção causados pela dengue, chikungunya e Zika. Diante de quadros assim, os profissionais do Ministério da Saúde recomendam que o paciente procure logo um serviço médico para receber primeiros atendimentos.

 


Medidas urgentes são necessárias, diante dos primeiros sinais de qualquer uma das três arboviroses, transmitidas pelo mesmo vetor, o mosquito, em particular o Aedes aegypti, popularmente conhecido como pernilongo rajado em razão das listras brancas nas pernas.

Recomenda o Ministério: “A prevenção é a melhor forma de combater a doença. Evitar acúmulo de inservíveis, não estocar pneus em áreas descobertas, não acumular água em lajes ou calhas, colocar areia nos vasos de planta e cobrir bem tonéis e caixas d’água, receber a visita do agente de saúde, são algumas iniciativas básicas. Todo local de água parada deve ser eliminado, pois é lá que o mosquito transmissor, o Aedes aegypti, coloca os seus ovos.”

A reintrodução do vírus da dengue no Brasil aconteceu em 1986. Já o chikungunya foi registrado pela primeira vez em 2014, enquanto o Zika foi identificado no país em 2015.

Departamento de Doenças Transmissíveis da Secretaria de Vigilância em Saúde e Ambiente do ministério, explica que o Brasil registra epidemias sucessivas de dengue com intervalos cada vez mais curtos entre os surtos, enquanto Zika e chikungunya também se mantêm com taxas endêmicas ao longo dos anos.

Em 2023, foram investidos mais de R$ 84 milhões na compra de insumos para o controle vetorial do Aedes aegypti. Popularmente conhecido como fumacê, um dos inseticidas usados no controle do mosquito na forma adulta, será distribuído ao longo das próximas semanas após atraso no fornecimento causado por problemas na aquisição. A expectativa é que a pasta receba cerca de 275 mil litros do produto ainda em maio, normalizando o envio aos estados e Distrito Federal.

Dengue aumenta 30%

Em 2024 a incidência explodiu para mais de 600 em alguns lugares e superior a 100% em outros.

Dados do Ministério da Saúde indicam que, de janeiro a abril de 2023, houve aumento de 30% no número de casos prováveis de dengue em comparação com o mesmo período de 2022. As ocorrências passaram de 690,8 mil no ano passado para 899,5 mil neste ano, além de 333 óbitos confirmados. Os estados com maior incidência são Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Acre e Rondônia.

“Fatores como a variação climática e aumento das chuvas no período em todo o País, o grande número de pessoas suscetíveis às doenças e a mudança na circulação de sorotipo do vírus são fatores que podem ter contribuído para esse crescimento.” Palavras do Ministério da Saúde.

Já em relação ao chikungunya, de janeiro a abril foram notificados 86,9 mil casos da doença, com taxa de incidência de 40,7 casos por 100 mil habitantes. Quando comparado com o mesmo período de 2022, houve um aumento de 40%. Este ano, até o momento, 19 óbitos foram confirmados. As maiores incidências da doença estão no Tocantins, em Minas Gerais, no Espírito Santo e em Mato Grosso do Sul.

Dados de Zika indicam que, até o final de abril, foram notificados 6,2 mil casos da doença, com taxa de incidência de três casos por 100 mil habitantes. De acordo com o Ministério, houve um aumento de 289% nos casos se comparados com o mesmo período de 2022, quando o país registrou 1,6 mil ocorrências de Zika. Até o momento, não houve óbitos pela doença. Os estados com maior incidência são Acre, Roraima e Tocantins.

 

Painel mostra onde está a doença

Há um painel atualizado regularmente com os principais dados de dengue, Zika e chikungunya

e a situação epidemiológica das três doenças do País. Na plataforma, é possível filtrar

as informações por estado e por tipo de arbovirose, além de visualizar

orientações e recomendações sobre sintomas e prevenção.

 

 

Fonte: Ministério da Saúde
 

 Não há Comentários para esta notícia

 

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Noticiario, não reflete a opinião deste Portal.

Deixe um comentário

TPaVD