Linguagem: EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish

Brasil acumula 7,5 milhões de acidentes de trabalho em 10 anos

Brasil acumula 7,5 milhões de acidentes de trabalho em 10 anos
[foto] - Cirlene Zimmermann, Ministério Público do Trabalho. Foto Agência Câmara, Zeca Ribeiro
30-04-2024 11:10:25 (264 acessos)
Brasil acumula 7,5 milhões de acidentes de trabalho entre os anos 2012 e 2022. Estatística real colocada pelo Ministério da Previdência vem sendo preocupação que perdura, apesar de todo o aparato de vigilância da Medicina do Trabalho, Ministério Público, associações, sindicatos e atuação de múltiplos profissionais. Cirlene Luiza Zimmermann, coordenadora de Defesa do Meio Ambiente do Trabalho e da Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora do Ministério Público do Trabalho faz acusações.

 


Na Câmara dos Deputados, Cirlene Zimmermann afirmou que, atualmente, a prevenção de acidentes ainda é considerada “apenas um custo” para as empresas, que tomam medidas mais baratas ou então nenhuma medida e, como consequência, os acidentes acontecem.

Sugerida pelo deputado Bohn Gass (PT-RS), foi um momento de reeflexão sobre os desafios do traabalhador que merecem atenção sobretudo dos empresários. Disse o Parlamentar que as empresas são contra regulações "claras e objetivas" e considerou "inaceitável" o alto número de acidentes de trabalho notificados em 10 anos (2011 a 2022) no Ministério da Previdência: mais de 7,5 milhões. “As empresas, para auferir seus lucros, não querem regulações claras, objetivas, que têm custos. Mas esses custos são em favor da vida das pessoas e não do mundo de acidentes.”

Exaustão e trabalho escravo

Eduardo Bonfim da Silva, representante do Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisas de Saúde e dos Ambiente de Trabalho (Diesat), contou alguns casos que já acompanhou.

“Recentemente, no setor frigorífico no estado de Goiás, uma empresa teve interrompida suas atividades por exaustão dos trabalhadores, que trabalhavam entre 10 e 16 horas ininterruptas. Outro exemplo que nós vivenciamos no setor do comércio foi que duas trabalhadoras em locais distintos, em estados diferentes, foram impedidas de realizar suas necessidades fisiológicas. Isso quer dizer trabalho análogo à escravidão concreto, contemporâneo.”

Doença mental em terceiro

Pedro Tourinho de Siqueira, presidente da Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho, ressaltou que outro aspecto da segurança e saúde do trabalho tem sido o adoecimento psíquico.

De acordo com dados do Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho, nos afastamentos pelo INSS entre 2012 e 2022 considerados acidentários, em terceiro lugar estão doenças mentais, como transtorno bipolar, transtornos ansiosos e depressão.

 

 

Fonte: Agência Câmara de Notícias
 

 Não há Comentários para esta notícia

 

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Noticiario, não reflete a opinião deste Portal.

Deixe um comentário

d2F5W