Linguagem: EnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish

Igualdade da mulher levará 130 anos e custa US$ 130 bilhões ao ano

08-03-2024 12:16:19 (286 acessos)
Rebeca Grynspan, Secretária-Geral da UNCTAD, a Conferência das Nações Unidas para Comércio e Desenvolvimento está fazendo apelo aos dirigentes empresariais e governantes do mundo e às entidades profissionais para para que desempenhem "esforços mais ousados ??para investir na criação de oportunidades iguais para mulheres e jovens em todo o mundo." Admite que as crises múltiplas que vive a sociedade internacional, fizeram retroceder os ganhos que a mulher conquistou a duras penas.

 


Prevê-se agora que a eliminação da disparidade global de gênero levará quase 132 anos – cerca de 30 anos mais do que o estimado em 2019. De acordo com as Nações Unidas, acelerar o ritmo para alcançar a igualdade de gênero até 2030 exigiria US$ 360 bilhões de investimentos ao ano.

Mulheres, muitas vezes têm menos acesso à educação e aos cuidados de saúde, recebem menos do que os homens e têm maior probabilidade de abandonar o trabalho para cuidar das famílias.

Falando num episódio especial do Weekly Tradecast da UNCTAD, Grynspan sublinhou o papel fundamental que o investimento nas mulheres desempenha não só na consecução da igualdade de gênero, mas também na construção de economias e sociedades mais fortes, mais resilientes e sustentáveis ??para todos.

Segundo a ONU, por exemplo, eliminar as disparidades entre homens e mulheres no emprego poderia aumentar o PIB per capita em 20%. Entretanto, a redução das lacunas nos cuidados e a expansão dos serviços com empregos dignos poderia gerar quase 300 milhões de empregos até 2035.

Não apenas usuários de novas tecnologias

Grynspan sublinhou a importância de um apoio mais forte às mulheres e raparigas na ciência e tecnologia.

A revolução digital ofereceu oportunidades únicas para as mulheres de todo o mundo progredirem. Mas ela diz que as mulheres precisam moldar e não apenas usar novas tecnologias. Caso contrário, poderiam moldar o nosso mundo futuro de uma forma tendenciosa em termos de género.

Em áreas de ponta como a inteligência artificial, apenas um em cada cinco profissionais é mulher.

Os algoritmos de IA, treinados com base em dados impregnados de preconceitos sociais, correm o risco de perpetuar e também de amplificar esses preconceitos, incorporando-os profundamente no código de novos produtos e serviços.

Por exemplo, o software de tradução tende a dar um gênero às profissões quando um idioma tem substantivos masculinos e femininos, traduzindo "o médico" do inglês para "le docteur" (masculino) em francês, e "a enfermeira" para "l'infirmière" (feminino).

Agentes de mudança

Na entrevista, o chefe da UNCTAD desafia a narrativa de que as mulheres são “um grupo vulnerável”.

“Somos agentes de mudança, agentes do bem, agentes de construção comunitária, de construção de economia, de construção de sociedade”, diz ela. “As mulheres são vulneráveis ??porque os seus direitos foram enfraquecidos”.

Grynspan diz que continua esperançosa ao ver as mulheres persistirem em todo o mundo.

“Vejo realmente em todo o lado mulheres jovens a ascender nas fileiras da política, na sociedade, a lutar pelos seus direitos, a fazer a diferença”, diz ela. “Portanto, apesar deste momento muito difícil para o mundo, sinto-me optimista na minha crença nas novas gerações”.

 

 

Fonte: UNCTAD
 

 Não há Comentários para esta notícia

 

Aviso: Todo e qualquer comentário publicado na Internet através do Noticiario, não reflete a opinião deste Portal.

Deixe um comentário

B9FTw